terça-feira, 28 de dezembro de 2010

FELIZ 2011


Que em 2011 você........

Relaxe e brinque mais!
Pratique o ócio e o lazer saudável.
Desacelere.
Priorize o importante.
Faça e cultive amigos.
Beba água de montanha.
Contemple o nascer e o pôr do sol.
Tome banhos de cachoeiras e mar.
Sinta o cheiro da chuva e da terra molhada.
Plante uma árvore.
Cuide de seu jardim e cultive canteiros de flores.
Faça pão e beba mais vinho.
Conheça novos lugares e retorne aos especiais.
Reveja seus hábitos e valores.
Reivente sua rotina.
Rejeite o desperdício.
Reaja ao comodismo e ao consumismo.
Use menos sacolas plásticas.
Resista à preguiça.
Recicle suas idéias.
Supere às provações.
Aprenda com as crianças.
Exercite o amor ao próximo.
Ande menos de carro, ande mais a pé.




Que você descubra novas atividades e realize novamente as antigas com maior vigor e empolgação, proporcionado um ano vibrante e de conquistas.

sábado, 25 de dezembro de 2010

CAPACITAÇÃO GERAL DO NÚCLEO DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE

Nos dias 15 e 16 de dezembro de 2010 aconteceu em Belo Horizonte no Hotel Othon Palace a capacitação geral dos 11 núcleos de Prevenção à Criminalidade do Estado de Minas Gerais promovido pelo Instituto ELO.

Esse espaço é para integrar, qualificar, confraternizar e promover aos funcionários dos NPC's o contato com diversos profissionais qualificados que na oportunidade nos presenteiam com seu conhecimento e compartilha informações e vivências que nos engrandece como profissionais e nos qualifica cada vez mais.

Para abertura do evento estiveram presentes: 


- Moacyr Lobato de Campos Filho - Secretário de Estado de Defesa Social
- Fabiana de Lima Leite – Superintendente de Prevenção à Criminalidade
- Cel. Renato Vieira de Souza – Comandante Geral da Polícia Militar do Estado
- Cel. Gilvan Almeida Sá – Comandante Geral do Corpo de Bombeiros 
- Márco Antônio Monteiro de Castro – Chefe da Polícia Civil de MG
- Dr. Andréia Abritta Garzon Tonet – Defensora Pública Geral do Estado de MG
- Kris Brettas Oliveira – Diretor Presidente do Instituto Elo
- Márcia de Alencar de Araújo Matos – Consultora da ONU


Mesa de Abertura do Evento

Após a abertura do evento aconteceu a palestra: Segurança Pública. Com Cidadania? Uma leitura histórica da segurança pública no Brasil a partir da Constituição de 1988 – Avanços e desafios, realizada pelo Dr. Luiz Eduardo Soares.
Palestrante: Luiz Eduardo Soares 




Técnicas do NPC de GV assistindo a palestra


Capacitação de todas as Equipes da CEAPA

Edilaíse (Estagiária de Psicologia); Fabrícia (Técnica de Psicologia)
Amiga e Parceira de trabalho



Apresentação dos profissionais da Psicologia



Apresentação dos profissionais do Serviço Social


Apresentação dos profissionais do Direito
Amigo Oculto entre os NPC's (nosso núcleo sendo presenteado)

Hora de revelar o nosso "NPC Oculto"

A equipe acompanhando tudo 
Momento da entrega ao NPC de Betim


No segundo dia foi realizado a apresentação de Boas Práticas desenvolvidas pelas equipes técnicas, onde os temas foram: 

Apresentação Boas Práticas
Rede de Proteção Social em Santa Luzia –NPC Santa Luzia/ Programas Ceapa, Fica Vivo!,
Mediação de Conflitos e Presp – Coordenação: Marice Ceres

Refletir para Desconstruir – uma experiência de Promoção à Cidadania – NPC Betim /
Programa Presp  – Coordenação: Denise Pimenta





Em outra sala de estudo foi realizada a palestra:

Problematizando a correlação existente entre cor/raça e violência – Palestrante: Simone
Maria dos Santos – Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Palestrante: Simone Maria dos Santos
Composição da Mesa:
Coordenadora da Mesa: Sandra Mara de Araújo Rodrigues – Coordenadora do Programa
Mediação de Conflitos
Amauri dos Santos Barra – Gestor do Núcleo de Prevenção à Criminalidade de Sabará
Miriam Aparecida Mendes – Técnica Social do Núcleo de Prevenção à Criminalidade BH –
Programa Ceapa
Cássia da Silva Pacheco Souto – Técnica Social do Núcleo de Prevenção à Criminalidade de
Betim – Programa PrEsp
Lucas Pereira de Miranda – Supervisor Metodológico do Programa Ceapa


Problematizando a correlação existente entre cor/raça e violência


Outra palestra assistida pelos NPC's presentes foi:

Sociabilidade Juvenil, indisciplina e violência em contextos institucionais. – Palestrante:
Paulo Henrique Queiroz – Pós – Doutor pelo Instituto de Ciências Sociais pela Universidade
de Lisboa, atualmente é professor associado da Universidade Federal de Minas Gerais e
Pesquisador do CNPQ.

Composição da Mesa:
Dr. Paulo Henrique Queiroz
Coordenadora da Mesa: Paula Jardim Duarte – Diretora de Reintegração Social
Fabiana Santos de Oliveira - Gestora Social do Núcleo de Prevenção à Criminalidade de
Contagem
Juliana das Graças Gonçalves Gualberto Duarte - Técnica Social do Núcleo de Prevenção à
Criminalidade do Barreiro – Programa Fica Vivo!
Melissa Raquel Lacerda Leite – Técnica Social do Núcleo de Prevenção à Criminalidade de
Ipatinga – Programa PrEsp
Wanderson Lima de Oliveira – Supervisor dos Gestores dos Núcleos de Prevenção à
Criminalidade



Para finalizar o evento assistimos a palestra: 
Mesa composta para a palestra de Luiz Flávio Sapori
Crack, um fenômeno diferente? – Palestrante: Luís Flávio Sapori – Sociólogo, professor da
PUC e ex Subsecretário de Defesa Social de Minas Gerais.

Composição da Mesa:
Coordenador da Mesa: Talles Andrade de Souza – Diretor de Articulação Comunitária
Alexandro Martins Moreira - Gestor Social dos Núcleos de Prevenção à Criminalidade da
Pedreira Prado Lopes e Taquaril
Jamerson Viana Camelo - Técnico Social do Núcleo de Prevenção à Criminalidade de Santa

Liliane da conceição Rosa - Técnica Social do Núcleo de Prevenção à Criminalidade de Santa
Luzia – Programa Fica Vivo!
Nádia Rodrigues Pereira – Supervisora Metodológica do Programa Fica Vivo!



Resultado da Enquete MEDO ou FOBIA


100 % dos votos da enquete mostraram que foi possível distinguir a fobia do medo, lembrando da importância de saber diferenciar entre os dois.

Medo é um sentimento de autoproteção inerente ao ser humano que surge quando nos sentimos ameaçados diante de uma situação, coisa ou pessoa que nos pareça estranha ou perigosa, que pode ser real ou aparente. O medo traz sensações incômodas e perturbadoras, mas que são reações naturais.

Fobia é o medo excessivo e irracional em relação àquilo que está ameaçando, e que leva a um comportamento de evitação das situações causadoras do medo. A fobia prejudica a vida diária, e muitas vezes a pessoa não sabe como começou. Ela consiste num aumento da ansiedade, até limites que impedem a pessoa de funcionar normalmente e que causa um mal-estar enorme.  Nesses casos é necessário procurar ajuda do psicólogo.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Almas Perfumadas


Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta,
de sol quando acorda,
de flor quando ri.
Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede
que dança gostoso numa tarde grande,
sem relógio e sem agenda.

Ao lado delas,
a gente se sente comendo pipoca na praça,
lambuzando o queixo de sorvete,
melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher.

O tempo é outro e a vida fica com a cara que ela tem de verdade,
mas que a gente desaprende de ver.
Tem gente que tem cheiro de colo de Deus,
de banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.

Ao lado delas,
a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis.

Ao lado delas,
a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo,
sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso.

Ao lado delas,
pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.

Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra.

Ao lado delas,
a gente não acha que o amor é possível,
a gente tem certeza.

Ao lado delas,
a gente se sente visitando um lugar feito de alegria,
recebendo um buquê de carinhos,
abraçando um filhote de urso panda,
tocando com os olhos os olhos da paz.

Ao lado delas,
saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração.

Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa,
do brinquedo que a gente não largava,
do acalanto que o silêncio canta,
de passeio no jardim.

 Ao lado delas,
a gente lembra que no instante em que rimos Deus está conosco,
juntinho ao nosso lado e a gente ri grande que nem menino arteiro.

Tem gente, COMO VOCÊ,
que nem percebe como tem a alma perfumada!
E que esse perfume é dom de Deus.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Câmara derruba projeto, mas legalização dos bingos ainda poderá ser discutida no Congresso

Outros projetos sobre o mesmo assunto tramitam na Casa, mas não devem ser votados logo






Um projeto de regularização dos bingos no Brasil foi rejeitado na noite desta terça-feira (14) pelos deputados federais. No entanto, não está descartada a possibilidade de a proposta voltar a ser discutida na Câmara.

Outros textos que tratam da legalização dos bingos tramitam na Casa. Isso porque o projeto original, do deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP), recebeu diversas modificações em três comissões que, por sua vez, elaboraram outros projetos, chamados de substitutivos.

A matéria rejeitada ontem pelo Plenário é o substitutivo da Comissão de Finanças e Tributação, de autoria do deputado João Dado (PDT-SP). Mas além deste substitutivo, há outro da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio, que acatou seis emendas sugeridas pelo plenário. Há ainda outras três emendas que a Comissão de Constituição e Justiça também acatou no seu substitutivo.

Assim que os deputados vetaram a legalização dos bingos, pelo regimento, os demais substitutivos também deveriam ser votados. Como, por opção da Mesa, isso não ocorreu, os projetos ganham sobrevida até serem levados novamente a plenário.

João Dado afirmou acreditar que esses substitutivos, no entanto, não deverão ser rediscutidos tão cedo. Para ele, o fator político “preponderou” sobre o técnico.
- A votação de hoje [ontem] mostra que o plenário entende que este não é o momento para legalizar os bingos, mesmo se fosse outro o substitutivo votado.

Ele alerta, no entanto, para as casas ilegais de bingo que, sem a regulamentação, vão continuar funcionando sem punição. O deputado lembrou que a atividade de bingos é regulamentada em todo o mundo.

- O que fazer com os estabelecimentos que não estão legalizados? Tem de haver discussão sobre a criminalização. Então quer dizer que o mundo inteiro está errado e só o Brasil está certo?


Publicado em 15/12/2010 às 06h03: Priscilla Mendes, do R7, em Brasília
http://noticias.r7.com/brasil/noticias/camara-derruba-projeto-mas-legalizacao-dos-bingos-ainda-podera-ser-discutida-no-congresso-20101215.html

Comer em frente ao computador aumenta a fome

Pessoa se sente menos satisfeita com a refeição

Manter o hábito de comer na frente do computador ou durante o trabalho pode aumentar a ingestão de alimentos no final do dia, segundo pesquisa da Unidade de Nutrição e Comportamento da Faculdade de Psicologia Experimental. 

Os pesquisadores se basearam em um estudo recente que avaliou o efeito de comer durante um jogo de computador. Para tanto, dividiram dois grupos de pessoas, um que comeu uma refeição que incluía nove diferentes alimentos enquanto jogava Paciência, e outro que comeu durante o horário tradicional de almoço, sem nenhum tipo de distração.

Os pesquisadores descobriram que os participantes que jogaram Paciência se sentiram menos satisfeitos depois do almoço. Tanto que, 30 minutos mais tarde, comiam por duas vezes mais petiscos do que os que não jogaram. Finalmente, no final da sessão de teste, os participantes tentaram lembrar os itens alimentares que tinham sido dados para o almoço. Os participantes que comeram na frente do computador apresentaram pior memória. Juntas, essas descobertas apontam que a distração pode levar à uma maior ingestão de alimentos no final do dia.

Anteriormente, observações semelhantes já haviam sido feitas em pessoas que comem enquanto assistem a TV. Mas a pesquisa da Faculdade de Psicologia Experimental estende esses resultados, segundo Jeff Brunstrom, um dos autores da pesquisa. “Este trabalho adiciona à evidência de que a cognição, memória e atenção, em particular, desempenham um papel no apetite e no tamanho da refeição em seres humanos”.

Reportagem postada SEX, 17 DE DEZEMBRO DE 2010 17:49 por jornale

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

PAIS MAUS

“Um dia quando os meus filhos forem crescidos o
suficiente para entenderem a lógica que motiva
os pais e mães, eu hei de dizer a eles:


- Eu os amei o suficiente para ter perguntado aonde vão,
com quem vão e a que horas regressarão.

Eu os amei o suficiente para não ter ficado
em silêncio e fazer com que vocês soubessem
que aquele novo amigo não era boa companhia.

Eu os amei o suficiente para fazê-los pagar
os rebuçados que tiraram do supermercado
ou revistas do jornaleiro, e dizer ao dono:
- “Nós tiramos isto ontem e queríamos pagar”.


Eu os amei o suficiente para ter ficado em pé,
junto de vocês, duas horas, enquanto limpavam
o seu quarto, tarefa que eu teria feito em 15 minutos.

Eu os amei o suficiente para deixá-los ver
além do amor que eu sentia por vocês, o
desapontamento e também as lágrimas
nos meus olhos. Eu os amei o suficiente para
deixá-los assumir a responsabilidade das suas
ações, mesmo quando as penalidades eram
tão duras que me partiam o coração.

Mais do que tudo, eu os amei o suficiente
para lhes dizer



quando eu sabia que vocês poderiam me odiar
por isso (e em alguns momentos até odiaram).

Estas eram as mais difíceis batalhas de todas.
Estou contente, venci... Porque, no final,
vocês venceram também!
E qualquer dia, quando os meus netos forem
crescidos o suficiente para entender a lógica
que motiva os pais e mães; quando eles perguntarem
se os seus pais eram maus, os meus filhos vão dizer:

- “Sim, os nossos pais eram maus".
Eram os piores do mundo...



As outras crianças comiam doces no café e
nós só tinhamos que comer cereais, ovos, torradas.

As outras crianças bebiam refrigerante e comiam
batatas fritas e sorvetes no almoço e
nós tínhamos que comer arroz, feijão, carne,
legumes e frutas. Nossos pais tinham que saber
quem eram os nossos amigos e o que
nós fazíamos com eles.

“Insistiam que lhes disséssemos com quem íamos sair,
mesmo que demorássemos apenas
uma hora ou menos.
Nossos pais insistiam sempre conosco para
que lhes disséssemos sempre a verdade e
apenas a verdade.

E quando éramos adolescentes, eles conseguiam
até ler os nossos pensamentos.
A nossa vida era mesmo chata”!

“Nossos pais não deixavam os nossos amigos
tocarem a buzina para que saíssemos;
tinham que subir, bater à porta, para que
os nossos pais os conhecessem.



Enquanto todos podiam voltar tarde da noite
com 12 anos, tivemos que esperar pelo
menos 16 para chegar um pouco mais tarde,
e aqueles chatos levantavam para saber se
a festa foi boa.
(só para verem como estávamos ao voltar)”.

“Por causa dos nossos pais, nós perdemos
imensas experiências na adolescência.


Nenhum de nós esteve envolvido com drogas,
em roubo, em atos de vandalismo, em violação de propriedade,
nem fomos presos por nenhum crime”.

“FOI TUDO POR CAUSA DOS NOSSOS PAIS!”

Agora que já somos adultos, honestos e educados,
estamos fazendo o melhor para sermos
“PAIS MAUS”
como eles foram.



EU ACHO QUE ESTE É UM DOS MALES DO MUNDO
DE HOJE:
NÃO HÁ PAIS MAUS SUFICIENTE
S

(Dr. Carlos Hecktheuer, Médico Psiquiatra)

O texto acima foi entregue pelo professor de Ética e Cidadania da escola Objetivo/Americana, Sr. Roberto Candelori, a todos os alunos da sala de aula, para que entregassem a seus pais. A única condição solicitada pelo mesmo foi de que cada aluno ficasse ao lado dos pais até que terminassem a leitura.


Reflita Hoje

Clique na imagem para ampliar

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Câmara pode votar hoje projeto que legaliza bingos no país

Matéria publicada em 14/12/2010 às 08h01 pelo R7


Deputados favoráveis querem investir dinheiro dos jogos na saúde, mas MP é contra

A Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (14) à tarde um projeto de lei que prevê a legalização dos bingos no país. Atualmente, esse tipo de jogo é proibido no Brasil, porém, os parlamentares favoráveis à liberação argumentam que a verba arrecadada em impostos cobrados ao setor poderia gerar até R$ 7 bilhões aos cofres públicos por ano – dinheiro que seria investido na área da saúde.
O tema, entretanto, é alvo de polêmica e a votação promete ser apertada no plenário da Casa. Em nota divulgada nesta segunda-feira (13), a Conamp (Associação Nacional dos Membros do Ministério Público) se manifestou contrária à legalização dos bingos no país, argumentando que esse tipo de atividade “criaria um ambiente favorável à lavagem de dinheiro e à atuação das organizações criminosas”.
A atuação das organizações criminosas na atividade de bingos foi comprovada pelo relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito [a CPI dos Bingos] constituída para apurar as irregularidades no setor de bingos e caça-níqueis, a qual revelou ainda a ocorrência de lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e evasão de divisas, em claro atentado ao interesse público.
Para a Conamp, é errado o argumento de que a liberação dos bingos beneficiaria a saúde pública. Isso porque, além de propiciar o vício – a associação cita uma doença em que a pessoa é incapaz de controlar a vontade de jogar –, a “conexão com o crime organizado potencializa a danosidade social, seja do ponto de vista da saúde, educação e segurança”.
Já o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Casa, argumentou em novembro, quando o tema voltou a ser discutido, que a liberação dos jogos poderia coibir o crime organizado no país, mas negou que a legalização tenha como objetivo obter recursos para a saúde.
- O governo não vai fazer nenhuma orientação, nem a favor nem contra. Mas eu pessoalmente tenho dito que a legalização dos jogos vai criar um cenário capaz de coibir atividades criminosas conexas ao jogo clandestino. [...] Essa é uma hipótese [investir o dinheiro arrecadado com jogos em saúde pública]. Mas a legalização não é para arrumar dinheiro para a saúde.
A discussão está prevista para começar às 16h desta terça-feira, no plenário da Câmara. Caso o texto seja aprovado, o projeto ainda precisará ser discutido pelo Senado.


http://noticias.r7.com/brasil/noticias/camara-pode-votar-hoje-projeto-que-legaliza-bingos-no-pais-20101214.html

A matéria postada foi publicada no site R7 em 14/12/2010, cujos comentários acima se referem a quem a publicou.


Cabe a nós como integrantes da sociedade refletir em que aspectos a legalização do jogo do bingo poderá ser benéfica à pessoa que utiliza, uma vez que o jogo de azar “encanta” por poder proporcionar a ilusão do ganho fácil e de realizar sonhos com os resultados trazidos pelo ganho do dinheiro.


Porém uma grande parcela de pessoas podem não ter controle a respeito do jogo e de repente se tornar um viciado, trazendo prejuízos financeiros, familiares, pessoais, nos quais precisará buscar ajuda de terceiros caso ele perceba “a tempo” o grau de envolvimento no qual se encontra como jogador de bingo. Vamos pensar nisso !!!! "Fabrícia Reis "



domingo, 12 de dezembro de 2010

DEFICIENTE VISUAL


No dia 13 de dezembro é comemorado o dia do Deficiente Visual.

Deficiência visual é a perda ou redução da capacidade visual em ambos os olhos, com caráter definitivo, não sendo susceptível de ser melhorada ou corrigida com o uso de lentes ou tratamento clínico ou cirúrgico.


Dentre os deficientes visuais, podemos ainda distinguir os portadores de cegueira e os de visão subnormal. A
pessoa com visão subnormal pode ler tipos impressos ampliados ou com auxílio de potentes recursos ópticos.


A deficiência visual pode ser congênita (nascença), como malformações oculares ou adquirida através de traumas oculares, catarata, alterações relacionadas à hipertensão arterial, diabetes, entre outras.

Sobre uma perspectiva psicológica é importante perceber que existem aqueles deficientes que apesar da vida ter tirado deles a visão, não desistem e mostram que podem ser felizes, não vendo, mas sim sentindo. Esses deficientes vão dar mais valor para a sua essência e as vontades de partilhar esse novo momento em sua vida, valorizando assim a importância desse sentir.


É importante lembrar de que devemos tratar o deficiente visual com respeito, dignidade e proporcionar oportunidades de continuar valorizando sua identidade de sujeito construtor de sua própria história através das inúmeras alternativas existentes no mercado onde o propósito é facilitar o dia a dia para que ele possa exercer mais facilmente seu direito de cidadão.


*** CONHEÇA O ALFABETO BRAILLE ***



Neurociências: Consumo e Dependência de Substâncias Psicoativas

Atualmente existem novos conhecimentos das neurociências sobre o consumo e a dependência de substâncias psicoativas (ou farmacodependências)...