domingo, 29 de maio de 2011

Videogame e Laços Familiares

UNIÃO DE TODOS !!!!




Uma pesquisa feita na School of Family Life, da Universidade Brigham Young, nos EUA, analisou 287 famílias que tinham meninas na idade de 11 a 16 anos. 

O estudo revelou que meninas que tinham o hábito de jogar vídeogame com pelo menos um dos pais, tinham a saúde mental mais estável e o comportamento mais positivo e menos agressivo, sentindo-se mais conectadas à família. 

As pesquisadoras Laura Padilha-Walker e Sarah Coyne, que ministraram o estudo, acham que esse hábito é parte do relacionamento pai-filha, já que a maioria das mães questionadas para o estudo não jogavam videogame.


Fonte: Revista Psique ed. 65

sexta-feira, 13 de maio de 2011

A IMPORTÂNCIA DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS A COMUNIDADE NO CONTEXTO DAS "PENAS ALTERNATIVAS"



O texto traz um histórico do surgimento das Penas Alternativas no mundo e Brasil. Aborda em geral as alternativas à prisão, evidencia a existência das Centrais de PA em Minas Gerais e demonstra a importância da alternativa de PSC.

Histórico

Nos tempos mais remotos, as penas eram baseadas e vistas como vingança divina. Apesar de existir a pena privativa de liberdade, a mais aplicada era a de morte, uma vez que a primeira só servia para abrigar os infratores provisoriamente.

Com o passar dos séculos surge definitivamente a pena de privação de liberdade, sendo a construção do estabelecimento carcerário Rasphuris de Amsterdã, na Holanda, o marco inicial para as execuções das condenações.

Posteriormente, com os estudos de Cesare Beccaria aplicaram-se os princípios do moderno direito penal e, depois, com César Lombroso surge o Movimento Científico, o qual atribuiu ao direito penal uma função puramente clínica.

Finalmente, com a reforma prisional no século XVIII, a pena de prisão tornou-se definitiva, sobrepondo-se as mais antigas formas de repressão, contudo de forma puramente primitiva e desumana.

No ano de 1926, na Rússia, surge a primeira “Pena Alternativa” (Prestação de Serviços à Comunidade). Posteriormente, na Inglaterra, Alemanha e Bélgica surgem outras modalidades de alternativas à prisão.

No Brasil, a exemplo de outros países, somente com a Reforma do Código Penal em 1984 modalidades de alternativas as prisões foram adotadas, sendo elas: prestação de serviços à comunidade ou entidades públicas, interdição temporária de direitos e limitação de fim de semana.

Mais tarde, com o advento a Lei 9.099/95, que dispõem sobre Juizados Especiais, instituiu-se as infrações penais de menor potencial ofensivo, admitindo a transação penal e a suspensão condicional do processo.

Por fim, com a Lei 9.714/98, surge no rol das alternativas à prisão a prestação pecuniária, perda de bens e valores e proibição de freqüentar determinados lugares.

A Pena Alternativa

Sabe-se hoje, que o sistema penitenciário brasileiro possui um grande déficit, sendo a pena de detenção e reclusão difíceis de serem totalmente cumpridas e inadequadas aos casos de infratores que não oferecem ameaça a sociedade.

Neste sentido, as Penas Alternativas, que aparentemente mostram-se a menos onerosa, são exatamente o contrário das penas de detenção e reclusão, pois, além de representarem maior efetividade nos cumprimentos das determinações judiciais, também apresentam como a melhor forma de se prevenir o crime, uma vez que possuem caráter ressocializador e educativo.

As Penas Alternativas são aplicadas àqueles que cometeram atos infracionais e crimes de menor potencial ofensivo e, também aos que receberam penas de dois até quatro anos de reclusão a tempo de ser passível a substituição por restritiva de direito.

Logo, estão submetidas às Penas Alternativas, pessoas que cometeram infrações de trânsito, crimes ambientais, delitos de menor potencial ofensivo (lesões corporais leves, desacatos, ameaças, atos obsenos, pequenos furtos) entre outros.


Centrais de Execução

Para melhor execução e maior efetivação das Penas Alternativas, após passar 16 anos da reforma do Código Penal, no ano de 2000, inaugurou-se junto ao Ministério da Justiça a CENAPA (Central Nacional de Apoio e Acompanhamento Nacional de Apoio e Acompanhamento de Penas e Medidas Alternativas), que objetiva aumentar a aplicação das alternativas à prisão. Posteriormente, foram criadas em vários estados as Centrais de Penas Alternativas, que são vinculadas às Secretarias dos Estados.

Assim em 2002, o Estado de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Defesa Social e sua Superintendência de Prevenção à Criminalidade, criou a CEAPA - Central de Apoio e Monitoramento as Penas Alternativas, uma política pública que trabalha com a execução das alternativas penais em algumas cidades mineiras, e tem como foco principal a prevenção ao crime.

Por meio das CEAPA’s, que se encontram instaladas em Belo Horizonte, Uberlândia, Governador Valadares, Ipatinga, Montes Claros, Santa Luzia, Betim, Ribeirão das Neves, Contagem e Juiz de Fora, a aplicação, execução, fiscalização e monitoramento das alternativas à prisão têm se mostrado muito eficaz, uma vez que conta com profissionais das áreas de Direito, Psicologia e Serviço Social, qualificados para acolherem as pessoas, a fim de conhecê-las e proporcionando-lhes uma reflexão do delito cometido.

Assim, para realizar seus trabalhos, cada CEAPA em Minas Gerais, além de equipe especializada, possui rede social formada, que é sensibilizada para promover a ressocialização e a reeducação de pessoas que se envolveram em pequenos delitos, mostra-lhes a superação de restrições e estigmas cultivados pela sociedade.


 Execução

Por mais que seja importante abordar as execuções de todas as alternativas penais, abrange-se aqui somente a Prestação de Serviços à Comunidade, pois esta alternativa à prisão apresenta a maneira mais eficaz de conter a reincidência criminal.


Prestação de Serviços à Comunidade ou entidades Públicas

Dentre o rol das alternativas à prisão encontra-se a Prestação de Serviços à Comunidade ou Entidades Públicas, explícita nos artigos 43, IV e 46 do CPB. Esta modalidade consiste na realização de atividades gratuitas a instituições que atende a comunidade em geral ou entidades públicas como: ONG`s, orfanatos, creches, parques, escolas, hospitais, Defensorias Públicas, Fóruns entre outros. Ela, normalmente, desenvolve-se em média de 7 horas semanais, não podendo prejudicar o prestador de serviços no seu horário habitual de trabalho e/ou atividades.

Essa alternativa a prisão não pode ser confundida com a modalidade de trabalhos forçados que é vedada pela Constituição Federal, ela é modalidade gratuita de serviços, possui tempo limitado, tem caráter retributivo e ainda devem ser consideradas as aptidões de seu beneficiário, o que é completamente diferente de trabalhos forçados, nos quais seus condenados exercem atividades penosas.

A Prestação de Serviços à Comunidade, ao contrário da medida de reclusão, permite oportunidades a seu beneficiário, pois o infrator não é privado da sua liberdade e nem deixa suas atividades habituais, ao contrário, ela valoriza-o, proporciona-lhe aprendizado, dando-lhe oportunidades por meio do trabalho ter contato com pessoas habituadas a boas condutas e normas de cidadania, oportunidades de demonstrar habilidades a serem valorizadas e aproveitadas, transformando seu beneficiário de sujeito do crime para um sujeito social consciente da cidadania, enfim, permiti-lhe acesso a serviços públicos por meio do exercício do direito de punir.

Como se vê, a Prestação de Serviços Comunitários possui um caráter ressocializador, uma vez que não remove da sociedade ou isola o autor do fato criminoso, mostra-lhe, na verdade, o seu papel junto ao exercício da cidadania ou até mesmo, dá-lhe oportunidade de trabalho, sendo detectadas aptidões profissionais e artísticas no cumprimento daquela.

Pensando ainda pelo lado da reintegração social, percebe-se também um benefício desta alternativa penal, uma vez que o fato de não ter sido preso ou não se encontrar preso, evita o estigma de “ex-presidiário”, facilitando-lhe oportunidades que são mais difíceis para pessoas egressas do sistema penitenciário a procura de sua reintegração.

Enfim, a Prestação de serviços à Comunidade é uma alternativa penal de grande valia, pois é um excelente instrumento reeducativo e socialmente útil, vez que não é o infrator retirado do convívio social e sim existe uma maior aproximação e participação da sociedade no seu processo reintegrador.

  
Considerações finais

De fato, sabe-se que As Penas Alternativas não são a solução para crimes e a super lotações dos estabelecimentos prisionais, no entanto, sabe-se que elas são as formas mais efetivas de prevenção à criminalidade para aqueles que já cometeram atos infracionais.

A Pena Alternativa é aplicada àquele que menos traduz perigo à sociedade, sendo a menos penosa e que possui maior cumprimento. Por isso, entende-se que a Prestação de Serviços à Comunidade é a modalidade mais eficaz no processo reeducador, pois o infrator possui um contato maior com a sociedade e entenderá que não está naquele lugar só para cumprir determinação judicial mas também por uma causa social.

Portanto, tem-se com o contexto, que a Pena Alternativa é a melhor forma de “corrigir” aqueles que infringem a lei, pois o prestador de serviços não será afastado de seu convívio familiar, estará integrado com pessoas aquém da criminalidade, as quais contribuem com a sua inclusão social.


Autoria: Marcela Maria Fraga Gundim
Atuou como Técnica Social junto aos programas do Governo de Minas de Prevenção à Criminalidade, no Município de Uberlândia.

sábado, 7 de maio de 2011

ANTES DE SER MÃE




Antes de ser mãe eu fazia e comia os alimentos ainda quente, eu não tinha roupas manchadas, eu tinha calmas conversas ao telefone.

Antes de ser mãe eu dormia o quanto eu queria e nunca me preocupava com a hora de ir para a cama. Eu não me esquecia de escovar os cabelos e os dentes.

Antes de ser mãe eu limpava minha casa todo o dia, não tropeçava em brinquedos nem pensava em canções de ninar.

Antes de ser mãe eu não me preocupava se minhas plantas eram venenosas, imunizações e vacinas eram coisas em que eu não pensava.

Antes de ser mãe ninguém vomitou nem fez xixi em mim, nem me beliscou sem nenhum cuidado, com dedinhos de unhas finas.

Antes de ser mãe eu tinha controle sobre minha mente, meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos, eu dormia a noite toda.

Antes de ser mãe eu nunca tive de segurar uma criança chorando para que médicos pudessem fazer testes ou aplicar injeções. Eu nunca chorei olhando pequeninos olhos que choravam. Eu nunca fiquei gloriosamente feliz com uma simples risadinha. Eu nunca fiquei sentada horas e horas olhando um bebê dormindo.

Antes de ser mãe eu nunca segurei uma criança só por não querer afastar meu corpo do dela. Eu nunca senti meu coração se despedaçar quando não pude estancar uma dor. Eu nunca imaginei que uma coisinha tão pequenina pudesse mudar tanto a minha vida. Eu nunca imaginei que pudesse amar alguém tanto assim. Eu não sabia que adoraria ser mãe.

Antes se ser mãe eu não conhecia a sensação de ter meu coração fora do meu próprio corpo. Eu não conhecia a felicidade de alimentar um bebê faminto. Eu não conhecia esse laço que existe entre mãe e sua criança. Eu não imaginava que algo tão pequenino pudesse me fazer sentir tão importante.

Antes de ser mãe eu nunca me levantei à noite a cada 10 minutos para me certificar de que tudo estava bem. Nunca pude imaginar o calor, a alegria, o amor, a dor e a satisfação de ser uma mãe. Eu não sabia que era capaz de sentimentos tão fortes.

Por tudo e, apesar de tudo, obrigada Deus, por eu ser agora um alguém tão frágil e tão forte ao mesmo tempo.

Obrigada Deus por me permitir ser MÃE.

(autor desconhecido)


quinta-feira, 5 de maio de 2011

PSICODERMATOSE ????

A Sociedade Brasileira de Dermatologia alerta: 

De cada três pacientes que sofrem com problemas de pele, um tem problemas emocionais.
Entre eles estão depressão, estresse ou ansiedade.
Membros afirmam que este fenômeno é chamado de psicodermatose e pode ser percebido em qualquer doença de pele, como vitiligo, acnes, manchas, psoríase e dermatite atópica.

Fonte: Revista Psique ed. 64

Seminário e Curso de Capacitação "Mobilização Comunitária e Memória Social"

Será realizado em Governador Valadares um Seminário e Curso de Capacitação com o tema: "Mobilização Comunitária e Memória Social".


Este seminário está sendo promovido pela Cidade Futuro, uma ONG de nossa cidade. Conheça um pouco melhor o belíssimo trabalho realizado por essa instituição. www.cidadefuturo.org.br


Clique no folder e confira a programação e os profissionais convidados para a realização do evento.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Seja e tenha um AMANTE!!!




Muitas pessoas têm um amante e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam. Geralmente são essas últimas as que vêm ao meu consultório para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insônia, apatia, pessimismo, crises de choro ou as mais diversas dores.

Elas me contam que suas vidas transcorrem monotonamente e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar seu tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram de dizer que estão simplesmente perdendo a esperança.

Antes de me contarem tudo isto, elas já haviam visitado outros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme: "Depressão", além da inevitável receita do anti-depressivo do momento.

Assim, após escutá-las atentamente, eu lhes digo que elas não precisam de nenhum anti-depressivo; digo-lhes que elas precisam de um AMANTE!

É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem meu veredicto. Há as que pensam: "Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa dessas?!" Há também as que, chocadas e escandalizadas, se despedem e não voltam nunca mais.

Àquelas, porém, que decidem ficar e não fogem horrorizadas com o meu conselho, eu explico o seguinte: AMANTE é "aquilo que nos apaixona". É o que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir.

O nosso AMANTE é aquilo que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida. Às vezes encontramos o nosso amante em nosso parceiro, outras, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos 
desperta as maiores paixões e sensações indescritíveis.

Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no esporte, no trabalho quando é vocacional, na necessidade de transcender espiritualmente, na boa mesa, no estudo ou no prazer obsessivo do passatempo predileto...

Enfim, é "alguém" ou "algo" que nos faz "namorar" a vida e nos afasta do triste destino de "durar".

E o que é "durar"? Durar é ter medo de viver. É o vigiar a forma como os outros vivem, é o se deixar dominar pela pressão, perambular por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastar-se do que é gratificante, observar decepcionado cada ruga nova que o espelho mostra, é a preocupação com o calor ou com o frio, com a umidade, com o sol ou com a chuva.


Durar é adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo contentar-se com a incerta e frágil sugestão de que talvez possamos fazer amanhã. 

Por favor, não se empenhe em "durar", procure um amante, seja também um amante e um protagonista ... da vida.

Pense que o trágico não é morrer; afinal a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. 

O trágico é não se animar a viver; enquanto isso, e sem mais delongas, procure um amante...

A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo transcendental:

"Para estar satisfeito, ativo e sentir-se feliz, é preciso namorar a vida."

Traduzido do original "Hay que buscarse un amante"
de autoria de Jorge Bucay
(psicólogo, psiquiatra e psicoterapeuta argentino)

Neurociências: Consumo e Dependência de Substâncias Psicoativas

Atualmente existem novos conhecimentos das neurociências sobre o consumo e a dependência de substâncias psicoativas (ou farmacodependências)...