quinta-feira, 23 de junho de 2011

II – FORUM PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA


Aconteceu no dia 20 de junho de 2011 na prefeitura municipal de Governador Valadares o II Fórum Permanente de Segurança Pública onde as solenidades se referiam a Semana Nacional sobre Drogas que deu início no dia 19 de junho e finaliza em 26 de junho.

A primeira palestra da noite foi realizada pela presidente do COMAD (Conselho municipal sobre Drogas) a psicóloga Maria do Socorro que mostrou aos presentes a importância do trabalho em conjunto e da participação dos representantes dos órgãos governamentais e não governamentais que existem em nosso município.

Após a fala da presidente do COMAD tivemos oportunidade de ouvir nossa prefeita que apoiou o trabalho do COMAD e se colocou a disposição para a sociedade civil contar com sua colaboração.

Na sequencia ouvimos uma palestra realizada pelo coordenador da pastoral da sobriedade Fernando Barbosa, que abordou o tema: “Drogas e Criminalidade”.

No retorno do coffe break tivemos oportunidade de contemplar a fala da Presidente da ADQF (Associação de Acolhimento aos Dependentes Químicos e Familiares) Ana Maria Godoy que compartilhou sua experiência em seu campo de atuação e posteriormente fez apresentação em forma de gráficos dos acolhimentos e atendimentos proporcionados aos dependentes químicos que acolhe, além de ressaltar que realiza o atendimento familiar e psicossocial.

O evento contou com a participação de diversos atores de nossa sociedade e com a presença da Gestora do CPC (Centro de Prevenção à Criminalidade) Marcelina e as técnicas sociais dos programas CEAPA, Mediação de Conflitos e Fica Vivo.   

domingo, 12 de junho de 2011

A CRISE segundo Albert Einstein


“Não podemos querer que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a maior benção que pode acontecer às pessoas e aos países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia assim como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem os inventos, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise supera a si mesmo, sem ter sido superado.
 
Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que as soluções.

A verdadeira crise é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a dificuldade para encontrar as saídas e as soluções. Sem crises não há desafios, sem desafios a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crises não há méritos.

É na crise que aflora o melhor de cada um, porque sem crise todo vento é uma carícia. Falar da crise é promovê-la e calar-se na crise é exaltar o conformismo. Em vez disto, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la." 

Albert Einstein

Portas.... Abri-las ou não ?

Se você abre uma porta, você pode ou não entrar em uma nova sala. Você pode não entrar e ficar observando a vida. 

Mas se você vence a dúvida, o temor, e entra, dá um grande passo: nesta sala vive-se ! Mas, também, tem um preço... São inúmeras outras portas que você descobre. 

Às vezes curte-se mil e uma. O grande segredo é saber quando e qual porta deve ser aberta. A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos.

Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende. Não existe a segurança do acerto eterno. A vida é generosa, a cada sala que se vive, descobre-se tantas outras portas. E a vida enriquece quem se arrisca a abrir novas portas.

Ela privilegia quem descobre seus segredos e generosamente oferece afortunadas portas. Mas a vida também pode ser dura e severa. Se você não ultrapassar a porta, terá sempre a mesma porta pela frente. 

É a repetição perante a criação, é a monotonia monocromática perante a multiplicidade das cores, é a estagnação da vida... Para a vida, as portas não são obstáculos, mas diferentes passagens!

Grupo de Estudo - PROGRAMA CEAPA - 2011


            O Programa CEAPA de Governador Valadares realizou no dia 20 de abril de 2011 o primeiro grupo de estudos do ano, que teve como tema: “ A Violência sob um olhar Interdisciplinar” .

            O grupo de estudo é uma atividade incluída no planejamento anual dos quatro programas onde as equipes tem a oportunidade de aprimorarem seus conhecimentos e desenvolverem atividades que promovam interação.

           Estiveram presentes no Centro de Prevenção à Criminalidade de Governador Valadares, os técnicos e estagiários dos quatro programas do CPC (CEAPA, PrEsp, Fica Vivo e Mediação de Conflitos), os auxiliares administrativos, motorista, auxiliar de limpeza, enfim, toda equipe que compõe o CPC.

            Foi apresentado inicialmente um texto que abordava a visão interdisciplinar sob a questão do fenômeno da violência; na sequencia a equipe apresentou um vídeo sobre o atentado ocorrido na escola em Realengo – RJ, foi sugerido que as equipes se dividissem em grupos por áreas (direito, psicologia e serviço social) para discutirem sobre o tema, tendo como objetivo ouvir de cada uma delas sua percepção sobre o assunto. 

Todas as equipes retornaram para formarem um só grupo e apresentarem suas opiniões e a partir daí as opiniões foram reunidas formando-se uma leitura mais ampliada sobre a temática.  Com essa dinâmica a equipe CEAPA procurou ressaltar que o fenômeno da criminalidade é melhor entendido quando as três áreas trabalham em conjunto.

            Após o intervalo para o lanche, houve um momento de descontração em que as equipes foram convidadas a reproduzirem uma coreografia apresentada em um clip musical. Esta apresentação em grupo revelou as facilidades e dificuldades de se trabalhar em equipe. Como fechamento dos trabalhos foi apresentado um vídeo motivacional de Daniel Godri sobre a importância do trabalho em equipe.

Equipe CEAPA: Técnicos  - Érika, Fabrícia e Marlene
                            Estagiários – Edilaíse e Rodrigo.












 





MITOMANIA – Verdade que faz o mentiroso sofrer



 Dizer a verdade é um sofrimento para quem tem mitomania, doença definida como uma forma de desequilíbrio psíquico caracterizado essencialmente por declarações mentirosas vistas pelos que sofrem do mal como realidade.


mitomania (ou mentira obssessivo-compulsiva) é a tendência patológica mais ou menos voluntária e consciente para a mentira. Normalmente, as mentiras dos mitomaníacos estão relacionadas a assuntos específicos, porém podem ser ampliadas e atingir outros assuntos em casos considerados mais graves.
 Uma menina cujo pai é violento, por exemplo, pode começar a inventar para as colegas como sua relação com o pai é boa e divertida, contando sobre passeios e conversas que nunca existiram. 
Justamente pelos mitômanos não possuírem consciência plena de suas palavras, os mesmos acabam por iludir os outros em histórias de fins únicos e práticos, com o intuito de suprirem aquilo de que falta em suas vidas. É considerada uma doença grave, necessitando o portador dela de grande atenção por parte dos amigos e familiares.
Desse ponto de vista, podemos dizer que o discurso do mitômano é muito diferente daquele do mentiroso ou do fraudador, que tem finalidades práticas. Para estes, o objetivo não é a mentira, sendo esta apenas um meio para outros fins. Contam histórias ao mesmo tempo que acreditam nelas. É também uma forma de consolo.
Esse distúrbio tem sua origem na supervalorização de suas crenças em função da angústia subjacente. Muitas vezes as mesmas se apresentam unidas à angústia profunda, TOCdepressão e pós-depressão.
De um lado, o mitômano sempre sabe no fundo que o que ele diz não é totalmente verdadeiro. Mas ele também sabe que isso deve ser verdadeiro para que lhe garanta um equilíbrio interior suficiente. Em determinado momento, o sujeito prefere acreditar em sua realidade mais que na realidade objetiva exterior. Ele tem necessidade de contar essa história para se sentir tranquilizado e de acordo consigo mesmo.

A mitomania não pode ser considerada como uma mentira compulsiva, e sim como uma doença que se não tratada pode causar transtornos sérios à pessoa que possui. Em geral, essa manifestação deve-se à profunda necessidade de apreço ou atenção.

A maioria dos casos de mitomania, ao serem expostos, tornam-se vergonhosos. Todavia, os mitômanos que buscam ajuda por vontade própria, pedindo a seus familiares e principalmente aos seus amigos, são considerados extremamente raros, pois eles veem que estão sofrendo de um mal e desejam acima de tudo curar-se. O papel dos companheiros se torna extremamente importante na vida do indivíduo que sofre da doença, já que eles que irão indicar os pontos e erros.

Grande parte dos casos de mitomania levam ao suicídio, principalmente se associados a depressão e pós depressão. O indivíduo ao não obter o apoio necessário e ser excluído daquele grupo que frequentava ou participava acaba por vivenciar uma situação sem saída, isto é, o mesmo acaba por ser excluído de seus gostos e vê-se sem aquilo que ama e deseja.
Casos comuns demonstram que mitomaníacos envergonhados de si, pelo porte de sua doença, infligem-se o óbito quando abandonados por amante, que não compreendem a sua doença e o abandonam, não acreditando na possibilidade de uma cura ou não restabelecendo os laços afetivos de antes.

Aconselha-se aqueles que rodeiam o mitômano, principalmente se o mesmo obteve uma conversa clara expondo a sua vontade de melhora, a não largarem-no, podendo tal atitude acarretar desejos inconstantes, profunda melancolia, depressão e desejo de suicídio da parte do mitomaníaco. Inicialmente o mesmo apresentará sintomas de solidão e grande desejo de estar acompanhado daqueles que ama. Contudo, ao ver que isso não é possível, acaba optando pelo desejo de morte.

Neurociências: Consumo e Dependência de Substâncias Psicoativas

Atualmente existem novos conhecimentos das neurociências sobre o consumo e a dependência de substâncias psicoativas (ou farmacodependências)...